Traduções de Ingrid Bringas

conheci a poeta mexicana Ingrid Bringas por acaso. numa noite rolando o facebook, vi um post com seu poema Retrato de família y me encanté. o traduzi em seguida e postei: o encantamento foi geral.

abaixo, alguns poemas com suas traduções, feitas por mim. foram publicados também em mallarmargens.

13876281_10153666435837073_7504062658953657539_n

 

NADA ME HA SIDO AJENO

Perdimos el rastro de nosotros el significado de nosotros diáspora
el amor no ha sido atendido
tenemos una habitación en el pecho un corazón de cerdo
una tierra que nos ha sepultado todos estos años llena de sueños
/espantosos
de risas de una fiesta que nunca termina
yo los oigo gritar con su piel anaranjada de frente al sol
y su pregunta es:
¿que has desenterrado de ti todos estos años?
mi tercer ojo me dice que nunca he estado sola
que sólo lo que queda es el rastro de nosotros
(exilio, exilio)
nada de lo que sepulte debe morir.

NADA ME FOI ALHEIO

Perdemos o rastro do nós o significado do nós diáspora
o amor não foi atendido
temos uma casa dentro do peito um coração de porco
uma terra cheia de sonhos que nos sepultou todos estes anos
/espantosos
de risos de uma festa que nunca acaba
eu os ouço gritar com sua pele alaranjada em frente ao sol
e sua pergunta é:
o que desenterrou de si todos estes anos?
meu terceiro olho me disse que nunca estive sozinha
que só o que permanece é o rastro do nós
(exílio, exílio)
nada que seja sepultado deve morrer.

RETRATO DE FAMILIA

Cuando sea grande quiero bailar como mi madre
amar como mi madre
gritar como mi madre
sonreír como el perro que nunca tuvo
ponerme su falda y decir: casi soy como mi madre
más desquiciada, menos amada
más alta que mi madre
quiero tener los pómulos de mi madre

callar como mi madre mas no estar ausente

llevar en el pecho escorpiones, cigarros doblados por el peso del olvido

esas piernas que son dos murallas

recógeme debajo de la cama madre quiero tener tus ojos de madera.

RETRATO DE FAMÍLIA

Quando eu for grande quero dançar como minha mãe
amar como minha mãe
gritar como minha mãe
sorrir como o cachorro que nunca teve
vestir sua saia e dizer: quase sou como minha mãe
mais esquecida, menos amada
mais alta que minha mãe
quero ter as maçãs do rosto de minha mãe
calar como minha mãe, mas sem estar ausente
levar no peito escorpiões, cigarros dobrados pelo peso do esquecimento
as pernas que são duas muralhas
me busque debaixo da cama mãe quero ter seus olhos de madeira.

BETA O VHS

Un video porno también es un poema
las cámaras de TV están tristes
un poema es migajas para pájaros
el porno es una bufanda tejida para extraños
te muerde la mano el dolor visionario del futuro
no te dice nada la canción prohibida, las heridas de tu ciudad
un video porno también es un poema
donde escuchas voces interiores, un campo minado de nostalgia
amarnos de muerte natural
porque el amor es un grito consumido en la niebla
un video porno también es un poema que le pone un altar a nuestros
/cuerpos deformes.

BETA OU VHS

Um vídeo pornô também é um poema
as câmeras televisivas estão tristes
um poema é migalhas para pássaros
pornô é um lenço tecido para estranhos
a dor visionária do futuro te morde a mão
a canção proibida não te diz nada, as feridas da sua cidade
um vídeo pornô também é um poema
onde se escuta vozes interiores, um campo minado de saudades
nos amarmos de uma morte natural
porque o amor é um grito que ressoa na névoa
um vídeo pornô também é um poema que colocamos no altar
/corpos disformes.

CUL DE SAC

Créele a todas las cucarachas
Créele a todos los muertos que conocen tus poros cuánto te amo
porque en el amor está el vicio
risa de lince
puedes poseer toda mi tierra sus asfaltos y fábricas
¿a quién perteneceré cuando me muera?
cuando mi aliento sea una ola que rompe la boca de los extraños
créele a las bombas

créele a los cuadernos que son memorias con los ojos cerrados
masticar las piedras cuando me muera eso quiero
el amor es una dama sumisa
créele a las voces de tu cabeza ellas te dirán que el amor es una
bolsa
de basura
créele a los pájaros mojados de tu boca
vocablo líquido
créele a el océano que no es el destino el que nos abraza.

BECO SEM SAÍDA

Creia em todas as baratas
creia em todos os mortos que conhecem seus poros e o quanto te amo
porque no amor estão os vícios
sorriso de lince
seu asfalto e suas fábricas podem tomar toda minha terra
quando morrer a quem pertencerei?
quando meu hálito for uma onda que quebra na boca de estranhos
creia nas bombas
creia nos cadernos que são lembranças de olhos fechados
quando morrer vou querer mastigas as pedras
o amor é uma dama submissa
creia nas vozes que habitam sua cabeça elas te dirão que o amor é um
saco
de lixo
creia nos pássaros molhados da sua boca
vocabulário líquido
creia no oceano que não é o destino o que nos abraça.

Ingrid Bringas (Monterrey, México. 1985) Poeta mexicana, colaborou com diversas revistas nacionais e internacionais. Suas publicações são: La edad de los salvajes (Editorial Montea, 2015), Jardín Botánico (Casa editorial Abismos, 2016),  Nostalgia de la luz (UANL, 2016).

+mais: aquiuma leitura maravilhosa do poema Nada me ha sido ajeno feita pela Marília Moschkovitch.

Traduções de Cindy Jiménez-Vera

Cindy Jiménez Vera 2015

Recentemente, traduzi, a pedido da Mallarmargens, poemas da Cindy Jiménez-Vera.

 

400 nuevos soles

Un periódico latinoamericano informa que Perú ofrece una bonificación de 400 nuevos soles a los empleados de gobierno que obtienen un grado universitario. Tengo tres de esos. Si hago la conversión de moneda, 400 nuevos soles peruanos son aproximadamente 153 dólares estadounidenses. Con eso, mi pareja y yo pagamos las facturas de electricidad y del agua por un mes. O no las pagamos y compramos comida. O no comemos ni tenemos servicios de luz y agua, y pagamos la cuenta del celular con algunos atrasos pendientes. O no hacemos nada de eso. Igual en Puerto Rico los huracanes y sus amenazas, nos dejan sin servicios de agua potable, electricidad, telecomunicaciones, y con alimentos de reputación dudosa. Mejor, fornicamos borrachos en el ojo de la tormenta. Él, despedido de una compañía que se fue a la quiebra. Yo, con dos trabajos que no suman uno, un vientre despoblado de hijos y algunos poemas con pocas palabras. Los bancos no saben de conversión de monedas. 400 nuevos soles es más de un año de amaneceres.

 

400 novos sóis

Um jornal latino-americano informa que o Peru oferece uma bonificação de 400 novos sóis para os empregados do governo que tiverem graduação. Eu tenho três. Se faço a conversão de moeda, 400 novos sóis peruanos são, aproximadamente, 153 dólares. Com esse dinheiro, meu par e eu pagamos as contas de eletricidade e água por um mês. Ou não pagamos e compramos comida. Ou não comemos nem temos nossos serviços de luz e água, e pagamos a conta de celular com atraso. Ou não fazemos nada disso. Como em Porto Rico, onde os furacões e suas ameaças nos deixam sem serviços de água potável, eletricidade, telecomunicações, e com alimentos de origem duvidosa. Melhor, transamos bêbados no olho do furacão. Ele, despedido de uma empresa que faliu. Eu, com dois trabalhos que não valem um, um ventre vazio de filhos e alguns poemas com poucas palavras. Os bancos não entendem de conversão de moedas. 400 novos sóis são mais de um ano de amanhecer.

 

 

Mitopoiesis

Aquel día llegó con una carta de desalojo en las manos. Fue así como el horno, las gavetas, las cortinas y los zapatos dejaron de aparecer en aquellos poemas domésticos.

 

Mitopoeia

Aquele dia chegou com uma carta de despejo nas mãos. Foi assim que o forno, as gavetas, as cortinas e os sapatos deixaram de aparecer naqueles poemas domésticos.

 

 

La adultez

A veces busco pretextos
para entrar en las oficinas
y en los centros comerciales
para coger un poco
de aire acondicionado.
Al principio da placer
hacer trampa.
La cara no suda.
Incluso, los dedos
de los pies en las sandalias
agradecen el gesto
y hasta se ven limpios
inmaculados.
Pero es mucho el sentimiento
de culpa que dan la burocracia
y el consumo.
Salgo rápido de esos lugares.
Afuera, el frío es otro.
No porque baje la temperatura
fuera de las alcaldías y
los supermercados.
Cualquiera queda frío
cuando siente hambre
—o ya ha comido—
y quiere ir a llorar
a la falda de su madre
y sólo nos queda eso
su falda.

 

A vida adulta 

Às vezes, procuro desculpas
para entrar em escritórios
e centros comerciais
para aproveitar um pouco
o ar condicionado.
No começo, dá prazer
trapacear.
O rosto não sua.
Inclusive, os dedos
dos pés nas sandálias
agradecem o gesto
e até estão limpos
imaculados.
Mas é grande
a culpa que a burocracia
e o consumo causam.
Saio rápido desses lugares.
Lá fora, o frio é outro.
Não porque diminua a temperatura
fora das prefeituras e
dos supermercados.
Qualquer um sente frio
quando tem fome
– ou já comeu –
e quer chorar
sobre a saia de sua mãe
e só sobra isso
sua saia.

 

Apéndice XX sobre Harold Bloom

No sé cuántas personas en la isla todavía memorizan poemas. Ahora se enciende el teléfono, se busca lo que se desea encontrar con uno o dos clicks, se lee, se cierra y  poema olvidado. La memoria ya no hace falta.  Mnemea who?

Yo sí memorizo poemas. Los míos y los poemas de otros, que me gustan mucho. Mi madre memorizaba poemas, y me los enseñaba desde pequeña. Así fue cómo memoricé textos de José P.H. Hernández, Pablo Neruda, y Julia de Burgos a los cinco años. En la adolescencia, me interesaban los poemas de Emily Dickinson y Dorothy Parker. Indian Summer fue mi mantra en la escuela superior. Memorizar un poema es sentirlo parte de tu cuerpo. Si no hay papel, libro, computadora o teléfono celular, el poema está en tu cuerpo. Se dice que la poesía es memoria. Eso lo sabían los juglares. Memorizar un poema lo hace tuyo, porque, la mayoría de las veces lo recitas con palabras de menos, o palabras sinónimas, y le cambias o creas versiones/traducciones /traslaciones de ese poema en tu memoria, sin darte cuenta.

Ya de adulta, oí a Harold Bloom hablar de poesía en una entrevista. Hablaba de memorizar poemas y lo describía como to possess a poem by memory. La palabra posesión me llevó a la palabra carencia. De repente comprendí, que de todas las posesiones, aquella de la que no te puedes desprender ni tampoco puedes llevártela a la tumba es la que se ha instalado en tu memoria por instancias prolongadas. Eso, en verso o no, es el poema.

 

Apêndice XX sobre Harold Bloom

Não sei quantas pessoas em Porto Rico ainda memorizam poemas.  Agora, liga-se o celular, busca com um ou dois cliques o que se deseja encontrar, lê, fecha e o poema é esquecido. A memoria já não faz falta. Mnemea who?

Eu, sim, memorizo poemas. Os meus e os poemas que gosto, de outras pessoas. Minha mãe memorizava poemas e me ensinava, quando eu era pequena. Foi assim que, aos cinco anos, memorizei textos do José P.H. Hernández, Pablo Neruda, e Julia de Burgos. Na adolescência, me interessavam os poemas de Emily Dickinson e Dorothy Parker. Indian Summer foi meu mantra durante a graduação. Memorizar um poema é senti-lo parte do seu corpo. Se não há papel, livro, computador ou celular, o poema está em seu corpo. Dizem que a poesia é memória. Isso sabiam os menestréis. Memorizar um poema torna-lo seu porque, na maioria das vezes, o recita com menos palavras ou com sinônimos e o muda ou cria versões/traduções desse poema em sua memória, sem perceber.

Já adulta, ouvi Harold Bloom falar sobre poesia em uma entrevista. Ele falava sobre memorizar poemas e descrevia isso como to possess a poem by memory. A palavra posse me levou à palavra carência. De repente, compreendi que de todas as posses, aquela da qual não se pode libertar e nem levar ao túmulo, é a que instalou em sua memória com perseverança. Isso, com versos ou não, é a poesia.

 

 

Cindy nasceu em São Sebastião, Porto Rico, em 1978. É autora dos livros de poesia Tegucigalpa (Erizo Editorial, 2013), 400 nuevos soles (Atarraya Cartonera, 2014), Islandia (Editorial EDP University, 2015); da crônicaEn San Sebastián, su pueblo y el mío (EDP University: 2015), e El gran cheeseburger y otros poemas con dientes, livro de poesia para a infancia precoce e tardia (Ediciones Aguadulce / Trabalis Editores, 2015). O número 50 da revista Punto en línea da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) publicou uma antologia de sua poesia entitulada A noche soñé que tenía seis años. Textos seus foram publicados em Tierra Adentro (México: Conaculta), Metrópolis (México), Transtierros(Perú), La Galla Ciencia (España), International PoetryReview: Puerto RicanIssue(EEUU), La Jiribilla (Cuba), Revista del Instituto de Cultura Puertorriqueña (Puerto Rico), entre outras, e também nas antologias Los prosaicos dioses de hoy (Puerto Rico: La secta de los perros), Calibrar la voz (Cuba: Encaminarte), entre outras. É colaboradora da revista La Ventana da Casa das Américas (Cuba), com uma coluna sobre a literatura latino-americana atual. É editora da Ediciones Aguadulce, bibliotecária e professora universitária.

Mantém o blog Apócrifos inflables.

Parênteses #09

12249658_957039237722196_6965934459893534353_n

Na última segunda-feira, 16/11, lançamos a nona edição da Revista Parênteses.

Tivemos publicações de Carla Kinzo ❤ , Miriam Adelman, Lucas Perito <3, Julia de Souza, entre outros, e fotos de Marcel Fernandes e Vanessa Carvalho.

Além disso, foram publicadas traduções minhas da poeta querida Jimena Arnolfi. Algumas estão aí embaixo.

Nada, nada, é melhor que conhecer pessoas maravilhosas através do meu trabalho na literatura, criar pontes.

Hibernación

En tiempos de autopromoción constante
lo mejor es esconderse
hibernar como un animal
de sangre caliente
entrar en un sueño profundo
que el latido sea más lento
que la temperatura descienda
ahorrar energías
usar las reservas almacenadas
de los meses más cálidos
mutar en una refugiada,
invencible.

 

Hibernação

 

Em tempos de autopromoção constante
o melhor é se esconder
hibernar como um animal
de sangue quente,
entrar num sono profundo
onde a batida do coração seja mais lenta
onde baixe a temperatura;
poupar energia
usando as reservas armazenadas
durante os meses mais quentes
se transformar em uma refugiada,
invencível.

 

Día del inquilino

Los días en la ciudad se parecen
a la escenografía de un teatro
una vez que termina la obra
ganarse la vida es arruinarla.
El tren es más mi casa que la casa donde vivo
todo el tiempo miro edificios
imagino torres de cuerpos acostados
uno encima del otro.
Siento un poco de alivio
cuando termino de crujir mis dedos
necesito que exista
una acción similar para la mente.
Podría renunciar a este trabajo
y recuperar la vida en general
pero no lo haré
debo, antes, pagar el alquiler.

 

Dia do inquilino

Os dias na cidade se parecem
com o cenário de um teatro
quando a peça já terminou,
ganhar a vida é arruiná-la.
O trem é mais minha casa que a casa onde moro
todo tempo olho edifícios
imagino torres de corpos estendidos
um acima do outro.
Me sinto aliviada
quando meus dedos param de ranger e
preciso que haja
a mesma ação para a mente.
Poderia renunciar a este emprego
e recuperar minha vida
mas não farei
devo, antes, pagar o aluguel.

Gosto muito do tom casual da poesia da Jimena, do bom humor, das pequenas surpresas nos versos, o tom atual. 🙂

Vocês podem baixar a Parênteses aqui!