Parênteses #11

Acabou de sair, quentinha do forno, a edição #11 da revista Parênteses.

Com poemas de: Francesca Cricelli <3, Ana Salek, Rafael Elfe, Philippe Wolney e Elisa Buzzo. Prosas e contos de Leonardo Wittmann, Clarissa Comin ❤ e Lívia Piccolo. Ainda, traduções de poemas de Anne Sexton feitas por Adelaide Ivánova e Rafael Mantovani e fotografias de  Karine Moura e Kristiane Foltran.

Pra lamber os beiços!

Baixe aqui!

13511043_1098772796882172_2479653366569660241_n

 

Advertisements

Parênteses #10

12745636_1010676859025100_1716510610591291960_n

Nas últimas semanas, lançamos a décima edição da Revista Parênteses. Um número especial.

Tivemos publicações de Júlia de Carvalho Hansen ❤ , Alfredo Fressia, Lisa Alves <3, Glória Paiva, entre outros, e fotos de Juliana Rocha e Pedro Ferrarezzi. Novos e velhos amigos.

Baixem aqui, é livre! ❤

Parênteses #09

12249658_957039237722196_6965934459893534353_n

Na última segunda-feira, 16/11, lançamos a nona edição da Revista Parênteses.

Tivemos publicações de Carla Kinzo ❤ , Miriam Adelman, Lucas Perito <3, Julia de Souza, entre outros, e fotos de Marcel Fernandes e Vanessa Carvalho.

Além disso, foram publicadas traduções minhas da poeta querida Jimena Arnolfi. Algumas estão aí embaixo.

Nada, nada, é melhor que conhecer pessoas maravilhosas através do meu trabalho na literatura, criar pontes.

Hibernación

En tiempos de autopromoción constante
lo mejor es esconderse
hibernar como un animal
de sangre caliente
entrar en un sueño profundo
que el latido sea más lento
que la temperatura descienda
ahorrar energías
usar las reservas almacenadas
de los meses más cálidos
mutar en una refugiada,
invencible.

 

Hibernação

 

Em tempos de autopromoção constante
o melhor é se esconder
hibernar como um animal
de sangue quente,
entrar num sono profundo
onde a batida do coração seja mais lenta
onde baixe a temperatura;
poupar energia
usando as reservas armazenadas
durante os meses mais quentes
se transformar em uma refugiada,
invencível.

 

Día del inquilino

Los días en la ciudad se parecen
a la escenografía de un teatro
una vez que termina la obra
ganarse la vida es arruinarla.
El tren es más mi casa que la casa donde vivo
todo el tiempo miro edificios
imagino torres de cuerpos acostados
uno encima del otro.
Siento un poco de alivio
cuando termino de crujir mis dedos
necesito que exista
una acción similar para la mente.
Podría renunciar a este trabajo
y recuperar la vida en general
pero no lo haré
debo, antes, pagar el alquiler.

 

Dia do inquilino

Os dias na cidade se parecem
com o cenário de um teatro
quando a peça já terminou,
ganhar a vida é arruiná-la.
O trem é mais minha casa que a casa onde moro
todo tempo olho edifícios
imagino torres de corpos estendidos
um acima do outro.
Me sinto aliviada
quando meus dedos param de ranger e
preciso que haja
a mesma ação para a mente.
Poderia renunciar a este emprego
e recuperar minha vida
mas não farei
devo, antes, pagar o aluguel.

Gosto muito do tom casual da poesia da Jimena, do bom humor, das pequenas surpresas nos versos, o tom atual. 🙂

Vocês podem baixar a Parênteses aqui!